Serão cerca de R$ 900 milhões para mais de 530 mil trabalhadores nascidos em janeiro e fevereiro, que fizeram a opção pela modalidade

Ana Vinhas, do R7

1/4/2020 às 02h00

A Caixa começa nesta quarta-feira (1º) o pagamento do saque-aniversário do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Neste mês, serão cerca de R$ 900 milhões para mais de 530 mil trabalhadores nascidos em janeiro e fevereiro, que fizeram a opção pela modalidade e se cadastraram para receber o benefício.

Ao aderir ao pagamento, o trabalhador passa a receber anualmente, no mês de seu aniversário, uma parcela do FGTS. Mas perde o direito ao fundo de garantia em caso de demissão sem justa causa.

Além disso, depois que fizer a escolha, caso mude de ideia, a pessoa terá de esperar pelo menos dois anos para voltar ao saque-rescisão. Até 27 de março, mais de 3 milhões já haviam optado por essa forma de pagamento.

A medida foi criada no ano passado junto com o saque imediato, que liberou R$ 26,2 bilhões em 2019 e encerrou o pagamento nesta terça-feira (31). 

Cronograma

A liberação do dinheiro segue um cronograma estabelecido pela Caixa (confira abaixo). Para receber ainda este ano, há um prazo máximo para adesão, conforme o mês do nascimento do cotista.

O trabalhador que nasceu em março, por exemplo, ainda pode optar pelo saque-aniversário do FGTS, mas não receberá o dinheiro este ano. O prazo limite para ele aderir à modalidade e efetuar o saque em 2020 terminou nesta terça-feira, dia 31 de março. Já as pessoas nascidas em abril podem se inscrever até o dia 30.

Prós e contras

Em meio à crise provocada pela pandemia do coronavírus, antes de optar pelo pagamento, o trabalhador deve prestar atenção se corre o risco de perder o emprego, porque não terá como sacar o valor total da recisão. A orientação é da advogada Adriana Vieira, coordenadora do MBA de Gestão de Riscos e Compliance da Trevisan Escola de Negócios.

“A opção de ter um valor nesse momento de crise é importante, mas é preciso analisar, por exemplo, o risco de perder o emprego. Nesse caso, acho que não seria interessante escolher essa modalidade, porque quem opta pelo benefício não recebe o total na hora da demissão sem justa causa”, avalia a advogada. 

Adriana orienta o trabalhador a analisar a situação da empresa. “Se a pessoa quer ter um 14ª salário todo ano, não quer deixar o dinheiro parado, pode optar pelo saque-aniversário. Caso contrário, se não tem segurança, é melhor deixar o dinheiro no fundo.” 

Fonte: R7 – confira a matéria na íntegra